segunda-feira, 11 de novembro de 2013

RIO MANSO

No leito de um manso rio
deito as horas, deito os dias
pensamentos, agonias
saudades, mortes, tristezas
deito dúvidas e certezas
num misto de calor e frio

Eu sou mar e ele é rio...

Vou fazendo o que o rio faz
deixo que vá, deixo ir embora
vãos momentos, vãos agoras
seguem com a mansa corrente
libertando a minha mente
de tudo o que ficou pra trás

Eu sou mar e ele é rio...

Vendo a vida com mais brio
invertendo o curso das águas
limpando as margens das mágoas
retomo os remos do barco
e o meu destino, demarco
sem tremor ou arrepio

Sendo mar, me penso rio...


RIO MANSO – Lena Ferreira –
Postar um comentário