segunda-feira, 18 de novembro de 2013

A VIA

Havia o som dos silêncios aflitos
que divisava o espaço entre a boca e a pele
suspiros suspensos causando arrepios
e alguns segredos macios prestes a desabrochar

Havia o abismo infundado e arredio
que separava o voo do seu arremesso
em linha tão tênue, em sede-precipício
e o avesso da calma querendo queimar

Havia o desejo incontido, fremente
que inflava o peito em batidas fatais
em descompasso à razão; rarefeito
e muitas gotas a nos encharcar

Havia, e a via, do meio ao princípio
recomeçava até que, ao final
entre espasmos, sussurros, sem frio
morremos, plenos, dentro de um olhar

A VIA - Lena Ferreira
Postar um comentário