sábado, 23 de novembro de 2013

POEMEU


Nasci com algumas vírgulas; no in'pulso
exclamações dançam na ponta da língua
e as interrogações, num ato convulso,
saltam da boca com a saliva à míngua

Às vezes, os hiatos tomam meu posto
e, assim como as vírgulas, de tempo em tempo,
parênteses e aspas, a contragosto,
explicam o que logo se esvai com o vento

Esses detalhes, conto eu em displicência
sem intenção de comover quem quer que seja
pois, normalmente, vou espalhando reticência
onde o bendito ponto final, seu posto almeja

POEMEU – Lena Ferreira – nov.13
Postar um comentário