segunda-feira, 18 de novembro de 2013

AOS PURISTAS


Os catorze que aqui vão, sem disciplina,
rasgam regras e não prestam continência
no quartel da academia de excelência:
mancos, pobres, loucos; babam na rotina

São catorze desafetos às retinas
embotadas e com pouca paciência;
logo deitam o selo de incompetência
no soldado que faz o que não domina

São catorze e mesmo presos pela rima
são tão livres por fazerem o que primam
mesmo com dura censura nessa forma

São catorze! Livres, sim, da pretensão
de alcançarem, seja um dia, o escalão
almejado pelos presos a uma norma

AOS PURISTAS - Lena Ferreira - abril/13
Postar um comentário