sábado, 9 de novembro de 2013

ABRIGO


Abrigo de tormenta e calmaria, diriam que, por isso, sou uma atriz. Eu fiz por merecer essa bagagem - aragem passadiça, desconforto - Meu porto é inconstância permanente. Agente em céus de organza nessas fases. E as frases que me lançam em desvio são fios que, mais ais, cumularão.
Se o teu senão dissesse claramente o que na mente escondes, que alegria! Mas não, só sugestão; calo em meu peito; é o jeito de seguir sem temporais. Abrigo de tormenta, calmaria e alguns ais;
aguenta, alma minha, somente um pouco mais...

ABRIGO - Lena Ferreira -
Postar um comentário