segunda-feira, 11 de novembro de 2013

CHOVIA

Silente, ela observava o rio que a conduzia mas não sorria. Deixava-se levar simplesmente. E o rio corria, calmamente. Enquanto ia, lembranças infantes esbarravam pelas duas margens e calavam fundo. Que mundo... - pensava arredia... - Enquanto torcia chegasse o seu porto seguro, pedia que o céu, tão ardente, bebesse o estio, a dor, a agonia e a morte. Vem, sorte! - dizia - E, sem covardia, chore, inclemente no solo dos órfãos sedentos. E de seus rebentos. E enquanto pedia, era ela quem chovia...

CHOVIA - Lena Ferreira -
Postar um comentário