quarta-feira, 11 de março de 2015

RASCUNHO

Eis-me aqui, coberta de esperas,
diante do leito branco onde dormitam os delírios
e, com um olhar extenso, solicita-me as respostas
aos convites que o universo me envia, então, me arrisco:
tremo, temo, tento, teimo, tremo, temo, teimo; quem dera...
- silencio -
no labirinto, o conteúdo do vazio:
além dos versos que aqueço em brasa fria,
um verbo escuso recoberto de razão
...que me causa arrepio
no canto, um rascunho sonolento, já boceja
talvez durma e, tranquilo, sonde as luas surreais
dando sinais de que quando enfim acorde
traga consigo o pó da estreia e o conforto
pras mãos pedintes que soluçam enquanto esperam
pros olhos rasos que vão transbordando em ais...




RASCUNHO - Lena Ferreira - mar.15
Postar um comentário