quinta-feira, 19 de março de 2015

AURORA

Sou das manhãs com os pés na madrugada
recebo o sol bem no seu nascedouro
que doura o horizonte e como um estouro
colore o azul do céu e pinta a estrada

Sou das manhãs de ouvir a passarada
com seu trinar, que pra alma, é tesouro
livre, ao longe,  em cântico canoro,
orquestra os passos da nova alvorada

Sou das manhãs, mas se acaso anoiteço
respiro fundo e rumo ao recomeço
- abraço-me à aurora se vacilo -

Sou das manhãs, mas se disto me esqueço
num verso ensolarado me aqueço
e alvoreço em sorriso tranquilo



AURORA  - Lena Ferreira  - mar.15
Postar um comentário