segunda-feira, 9 de março de 2015

POEIRA DE VERSO

Enquanto não acorda, me distraio
com as rimas insensatas
as catarses inexatas
e um dos pés na contradança

Dos crivos, faço um belo buquê de cravos
pra adornar a cama branca
onde a poeira de verso
por um bom tempo, descansa




POEIRA DE VERSO - Lena Ferreira -
Postar um comentário