segunda-feira, 16 de março de 2015

INVERSOS

Dedos vagam pelo corpo do copo
indefesos e sem nenhum juízo
umedecem segredos com o suor
do conteúdo
frio
tragam perfumes entre as marcas de batom
tatuagem da noite
arrastada à madrugada
insone insanidade entre a fumaça e a tinta
da caneta
falha
inversos,
embriagados, vadiam pelo corpo corpo,
- que sua, impreciso e em prejuízo -
buscando um gole de presença
no fundo do copo
vazio
exaustos, espasmam no espelho
espocando urros
em versos



INVERSOS - Lena Ferreira - mar.15
Postar um comentário