quinta-feira, 18 de setembro de 2014

QUASE MEU



É quase minha a certeza
da autonomia das folhas
que se desprendem, moles,
em cada outono prévio
em cada vento inverso
em cada verso interno
em cada averbação

É quase minha a destreza
na condução das nuvens
levemente tingidas de cinza
que pairam no pensamento
em cada passo incerto
em cada nó que aperto
em cada indecisão

É quase minha essa calma
diante de tantos fatos
ocultos atrás da porta
que, em superfície, relato
em cada linha torta
em cada letra morta
em cada exclamação

É quase meu esse espelho
diante de seus olhos vermelhos


QUASE MEU – Lena Ferreira – set.14
Postar um comentário