terça-feira, 23 de setembro de 2014

OUTUBRO

Dos sonhos crudelíssimos que ocorrem
Nas noites assombrosas e ainda frias
Nascem-me mais vazantes em agonias
Que pelos olhos doidos ora escorrem

Bem tento afugentá-los mas não correm;
Insistem em perturbar-me até de dia
Arrastando o passado qual sangria
Que não desata e o presente colore

Em  tons medonhos de um estranho rubro
Com os quais, incauta e ingenuamente, cubro
A alma, o corpo e a mente... Pesadelo!

Conforta-me a chegada de outubro;
Nas luzes de seu aceno é que  vislumbro
Sonhos em sono ameno - hei de tê-los -

OUTUBRO – Lena Ferreira – set.14


*mote - CAMINHO de Camilo Pessanha *
Postar um comentário