quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

VENTANTE

Vento vasto, varre e verte
vozes de sonhar ao longe
leva meu pensar, e breve,
a atingir picos e montes


Vento vibra, a voz inverte
arremessando promessas
atingindo a mente em greve
açoitando vãs remessas


Vento venta, fortemente
assassinando torturas
libertando toda mente
que se esquece na clausura


Vento avisa e brisa a folha
sacudindo o pó da escolha




VENTANTE - Lena Ferreira -
Postar um comentário