segunda-feira, 15 de dezembro de 2014


*

meu versejar, entenda, não é diário
de adolescente, moça, que despeja
tristezas, frustrações e o que deseja
e, longe de ser extraordinário,


é verso que a mente fértil cria;
após observar certos semblantes
invento alguns enredos relevantes
que, tola, penso eu ser poesia


porém, não pense que, por isso, minto;
enquanto escrevo, é vivo o que sinto
desde o início até a assinatura


meu versejar é imaginativo
e mesmo dispensando qualquer crivo
aceito de bom grado o da loucura



- Lena Ferreira -




Postar um comentário