quarta-feira, 8 de abril de 2015

VENTO MOÇO

Vento moço, filho de uma brisa constante, começou sua jornada há pouco tempo. Mas, já varre tristezas e lamentos como um adulto robusto, ventania. Levantando o pó de incertas verdades, recolheu as folhas bucólicas do outono e, prevendo o estio do próximo inverno, forrou o caminho, resguardando sementes. Tangeu nuvens cinza no céu, seu rebanho. Plantou riso farto ao chorar no plantio. Tirou pra dançar meias, lenços e lençóis estendidos nos varais no fundo dos quintais. Seguindo a jornada, espantou amarguras, sacodiu poeiras, cansaços, manias, secou a umidade que mofa as gavetas, mudou o sentido de umas setas tortas e, abrindo janelas, fechou certas portas.
Bem...Depois de ventar e ventar, mais sereno, limpou suas mãos e num afago às letras, soprou de levinho uns versos de ternura. E como uma despedida sem aceno, virando-se, caminhou calmo e tranquilo, deu um suspiro de missão cumprida e voltou para o colo da mãe pra descansar por brevíssimo instante.




VENTO MOÇO - Lena Ferreira - abr.15
Postar um comentário