quinta-feira, 2 de abril de 2015

PREZO

Prezo a palavra:
a feia, a pobre, a bonita
a áspera, a úmida, a delicada
a comportada, a esquisita
a que tudo diz, mesmo calada
a que falada, não diz nada
a que derruba
a que levanta
a que planta
a que aduba
a que encanta
a que abala
a que embala
a que cala
a que cresce
a que enternece
a que estremece
a que me é restrita
a que não fala, grita
a que intimida, silencia
a que intimismo propicia
a que lamenta
a que fermenta
a que estranha
a que entranha
a que barganha
a que enruga
a que encharca
a que enxuga
a que estica
a que edifica
a que chora
a que cora
a que ora
a que, ontem, amanhã ou agora
se articula
e circula
sem bula
nem via
e se vira
e delira
e corteja
e se atira
e me beija
e me beija
enquanto  rezo
 para que, dia após dia,
ao menos uma delas  seja
o que não desprezo
- poesia -



PREZO - Lena Ferreira - abr.15



Postar um comentário