quarta-feira, 1 de abril de 2015

TATUAGEM

Das tardes silenciosas de outono, passadas entre o ócio dos ossos e a carne em agito, o grito oculto é somente um apêndice insuspeito. Dono de si, sujeito raro e dileto, há tempos não me visita posto que, clamando por liberdade, corre solto pelas salas. E fala. Dos aromas imprevistos para o inverno, das manias flutuantes em anis, dos amores inventados em cristais e dos copos encorpados de geleia onde, vez por outra, esbarra e espalha os cacos pelo chão. Onde me corto ainda e ainda me hemorragia. Não deveria, já que me são tão familiares. Olhares ralos em desvio, vagas de interpretação numa leitura não tão clara. Logo sara, diz. Mas, a cicatriz que poderia servir-me de lição, não passa de temporária tatuagem. Bobagem!? Tudo bem. Um dia, aprendo. Um dia, quem sabe, sem descuido, dê abrigo permanente a um silêncio assim, estéril, discreto e irrestrito. E pouparei  as tardes de todas as estações das tarefas arrastadas em pacífico conflito entre o que fora pressuposto e o que jamais fora dito.




TATUAGEM - Lena Ferreira - mar.15
Postar um comentário