sexta-feira, 21 de novembro de 2014

SUPOSIÇÕES

Tentou adivinhar o meu desejo
embora estivesse tão distante
alheio ao que eu sinto e ao que vejo
sem precisar o que me é constante


E nessa tentativa, o julgamento
pesado veio a me cobrir os ombros
mas a benevolência de um vento
o espantou e junto, foi o assombro


E na leveza que o vento me deixa
deslembro o motivo do qual se queixa
e sigo o meu caminho como quero


Inútil é insistir provar o que seja
a alguém que os meus olhos nunca veja
e só suponha o que da vida espero



SUPOSIÇÕES - Lena Ferreira - nov.14
Postar um comentário