segunda-feira, 18 de maio de 2015

SEMÍNIMA

Úmidas, 
as palavras que proferes
dançam com a língua o bolero de Ravel
provocando rubores castos e imprevistos
nos lábios, na face, nos olhos, nos cantos, 
alteram expressões
desconcertando a timidez estreita e concisa
da vaga precisa entre a pausa fugidia e o dó maior
como a adivinharem o mais ínfimo e íntimo desejo
as palavras que proferes,
úmidas,
úmidas,
mais parecem beijos



SEMÍNIMA - Lena Ferreira - mai.15
Postar um comentário