quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

INTERMITENTES

Certas verdades, intermitentes,
bordadas por gazes finas, transpassadas
perpassando as fases de uma vida em cela
revelam o vício dos vínculos convenientes

Ingenuamente, trazem o fim para o início
fundam precipícios nos verbos contritos
acordando atritos no poro indisposto;
desgosto em arrepios, anunciam conflitos

Certas verdades, intermitentes,
atadas por nós mudos, surdos e cegos
confrontam o ego de um mundo absurdo
e deixam escapar o que ia na palma...

(...diante de tantas mentiras calmas)

INTERMITENTES – Lena Ferreira – dez.13
Postar um comentário