terça-feira, 17 de dezembro de 2013

CORTE


Debruçada na beirada das lembranças
chorosa contempla a imagem do tempo
que corre, indiferente ao seu lamento,

...e não para

Eram tantas, lembra bem, e por horas
brindavam a vida com xícaras de brisa morna
e gargalhavam com as cócegas do vento

Assistiam, reflexivas, ao degradê da tarde
e à noitinha, respiravam estrelas e vagalumes
brincavam de fazer o dia, a vida e a sorte

Debruçada na beirada das lembranças
arqueou-se pelo peso da saudade
daquelas que foram levadas por um corte

...que não sara

CORTE - Lena Ferreira - dez.13
Postar um comentário