quinta-feira, 29 de maio de 2014

POEMA ADORMECIDO

Silêncio. Não acorde esse poema
que dorme tão tranquilo e satisfeito
embora minha pena ainda trema
depois de tê-lo escrito no meu peito.
.
Descansa as sucessivas sensações
viagens por veredas fascinantes
provou de tantas, tantas emoções
quando tocou as notas mais sonantes.
.
Repousa, embevecido, esse meu verso
num sono tão profundo; meu reverso
que insone, monto guarda; solidário.

Silêncio. Não acorde este poema
- embora essa vontade seja extrema -
pois descansar o verso é necessário.

POEMA ADORMECIDO - Lena Ferreira -
Postar um comentário