domingo, 21 de junho de 2015

NO ESPELHO

Acho graça quando a imagem se alinha
e aninha as vestes de um vento suposto
à crueza do rosto, dos fatos e dos ritos
benditos e, despindo suas comiserações,
costura uns remendos, fiapos do tempo
nas lembranças inóspitas e arrefecidas
aliando o roto reverso ao avesso da pena

É uma graça pequena que não ri nem chora
pelo ofício flácido de ninar as plangências
e as emergências dos reflexos que refreiam  
debruçados no compasso do sossego volátil
à beira do berço largo  onde a mente divaga
na vaga observância de incautas urgências
que no vento depositam as marés de desgosto
os azares dos vazios, as tardes de sorrisos
as noites sem juízo, os dias de procura,
os voos em clausura, mesuras e pirraças

Acho graça quando a imagem se alinha
e aninha as vestes que, despindo-me, não vejo
no espelho, não rio nem choro; solfejo



NO ESPELHO - Lena Ferreira - 
Postar um comentário