consagro os teus dias sem promessas
assim como essas noites de estrelas silentes
que, penduradas num céu todo independente,
velam pelos ventos nascidos com pressa
- sem julgamento -
nesse momento, bebo da taça onde farta
o vinho tinto da existência de nós dois
e embriagada, deixo fique pra depois
tanto lamento à tua falta


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

eu não sou flor que se cheire

menos a saudade

é para lá que voo