sábado, 29 de abril de 2017




gosto
quando chega assim mansinho
quieto e fazendo um carinho
nos cabelos e na pele

gosto
quando chega de surpresa
bravo e com certa rudeza
tangendo o que me impele

gosto
quando percorre os céus meus
e, soprando as nuvens-breus,
sussurra o que me alivia

gosto
de tudo o que leva e traz
e do muito que é capaz:
fecundar-me poesia



Postar um comentário