sexta-feira, 11 de julho de 2014

OLIMPO


"Solidão, o silêncio das estrelas, a ilusão
Eu pensei que tinha o mundo em minhas mãos
Como um Deus e amanheço mortal..." (Lenine)

*

E na noite que desliza em tom solene
solicita, solitário, compreensão
às estrelas que, caladas, nunca mentem;
mais fazem sentir o gosto da ilusão

No pensar que possuía em suas mãos
todo o mundo, tolo, julgando imortal
entre aplausos, o ego vencendo a razão
ergueu na alta nuvem frágil pedestal

- mas toda nuvem, um dia, chove, é natural... -

No silêncio das estrelas, o abandono
sem resposta e insatisfeito, adormece
sonha o Olimpo, acorda e já não tem trono;
mais um ''Deus'' que como mortal amanhece

OLIMPO – Lena Ferreira – jul.14
Postar um comentário