quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

TOMARA

O sol tem acordado bem mais quente
num céu de um azul anil que grita
deixando uma multidão aflita;
suando corpos, derretendo mentes

E num verão de calor inclemente
qualquer palavra queima se mal dita
modificando a expressão contrita
para trovões e raios recorrentes

Mesmo sem nuvens, nessa hora chove
parece, o céu, até que se comove
e, pelos olhos, desce sem censura

Tomara que, por fora, logo chova
molhe a palavra e, enfim, promova
delicadezas, gestos de ternura...

TOMARA - Lena Ferreira - fev.14

Postar um comentário