terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

ROGATIVA

Um ser composto por idas e voltas
patrocinadas pelo que o excede
palavra o rastro das reviravoltas
vincando a ponta do que não se mede

Um ser composto por fases da lua
exacerbadas pela cisma fútil
penitencia o verbo além da rua
mas o silêncio, armado, é inútil

O mesmo ser, com um posto provisório,
de jeito grave e gestos transitórios,
já ensaiou adeuses sem a palma

O mesmo ser - loucura ou heresia? -
se prostra aos pés da santa, a poesia,
e roga ao verso que retorne à alma...

ROGATIVA – Lena Ferreira – jan.14


Postar um comentário