sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

ΕΓΩ

Eu,
que, de versos vãos, vivo
livrando o peito incontido
alivio o meu mormaço


Eu,
que, de vento em não, vibro
ventilando os meus sentidos
refresco o meu cansaço


Eu,
que sedento pela vida
bebo goles fartos, cheios
sinto que a sede não passa


Eu,
que, insistente nessa lida,
traço passos pelos meios
sinto que é só por pirraça




ΕΓΩ  - Lena Ferreira -
Postar um comentário