sábado, 31 de janeiro de 2015

IN

Não foi do mar que me  veio o aviso
Embora ouvisse as aves peregrinas
Dialogando com as densas  ondinas
Como a convencê-las a mudarem o ciclo

Não foi da terra que me veio o aviso
Embora ouvisse o murmurar do solo
Enquanto abria-se às chuvas repentinas
Como a convencê-las a lhe dar o viço

Não foi do vento que me veio o aviso
Embora ouvisse o sussurrar das folhas
Intercalado à queda em cada escolha
Como a convencê-las a lhe dar  juízo

Não foi do fogo que me veio o aviso
Embora ouvisse o crepitar e a chama
Dançando sedutora sobre  a cama
Como a convencê-la  a lhe dar sentido

Não foi de fora, não; veio de dentro
O aviso que restituiu-me o centro


IN – Lena Ferreira – jan.15


Postar um comentário