quinta-feira, 10 de abril de 2014

DOMA

É na solidão, quase sempre sombria,
Que intento a doma das feras do centro
Quem vê só por fora, não sabe que dentro
Há uma avalanche clamando alforria

E essa saga segue, à noite e de dia
Confesso que, às vezes, eu mesma não aguento:
Num duelo ingrato, moroso, sangrento
Esgrimam sorrisos, tristeza, euforia...

Nessa solidão, um silêncio aparente
Segue cutucando o entorno, estridente,
Como a incitar, nessa espera, o açoite

Essas feras, todas, são tão resistentes
Mesmo assim, insisto na doma, valente;
Não quero, pro dia, o escuro da noite...

 
DOMA - Lena Ferreira - 
Postar um comentário