sábado, 18 de janeiro de 2014

SOMENTE

Não é a todo instante que te penso. Somente quando o sol acorda, sorrindo, com o farfalhar das saias das árvores
e vai indo, vai indo... Corre o céu todinho e já cansado, deita-se por detrás dos montes calmos e nessa pausa, bebe um gole de brisa morna para, refeito, seguir o seu caminho até quase beijar as mãos alvas e nuas da amada lua que, bordando estrelas no céu da boca da noite clara, madruga pensamentos vagos em desvarios vários, sonha nuvens azuis, noiva de sóis alaranjados enquanto eu somente nesses instantes é que te penso. Somente, somente...

SOMENTE - Lena Ferreira -
Postar um comentário