quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

OXIDÁVEL



Andei observando o vai e vem da porta
e as vozes aciduladas das dobradiças
acordaram pensamentos improváveis
acerca de um destino tolo, sem revolta
onde a sua volta seria a chave mestra
para a felicidade -tonta- terna eternizada

Mas o desgaste causado pelo tempo
- implacável nos momentos imprecisos -
fez-me ranger os muitos dentes magoados
pelas memórias doloridas por descaso

Andei observando o vai e vem da porta
e o desconforto no ouvido enlouquecido
abriu meus olhos pr'um futuro oxidado
onde os pedaços de nós já corroídos
escorreriam pelos vãos dos outros dedos
e os segredos nunca mais seriam meus...

OXIDÁVEL - Lena Ferreira -
Postar um comentário