terça-feira, 4 de julho de 2017

é nada



e a voz é pouca, é mínima
distante dos fatos entardecidos
sob as folhas de vertigens calmas
entre as nuvens de um céu cobalto
onde o instante, de tão raro, para
e confere o arrepio interno
que o esterno controla, aparente,
e o externo segue, lentamente,
como se, tendendo ao sobressalto,
incorresse em crime sem soltura

e a voz é pouca, é ínfima
distante dos afetos anoitecidos 
respingados de sereno e de história
de uma trajetória isenta de depois
onde o passado a limpo ressuscita
e interfere nesse verso estanque
e soluçando as rimas que inverno
planta no peito do que não foi
o verbo preciso e irrestrito
que águo da forma mais bonita
contendo as torrentes de nós dois

...e a voz é nada


- Lena Ferreira - 
Postar um comentário