segunda-feira, 18 de agosto de 2014

REFRÃO


Enquanto os pés descalços distraíam-se com a areia fina das margens do Araguaia, uma voz suave, macia acariciava um passado ainda recente onde uma chalana cortando as águas serenas do rio, levava para longe aquela morena que tinha em seus braços, agora com os olhos empoçados de mágoas(com razão, a voz dizia), partindo em dois o seu peito. Numa conversa amena com a brisa e a paisagem, confessava lamentoso seus graves pecados: não havia cuidado como merecia. Não havia amado como deveria. Não havia o efeito transver o defeito no dia após dia. O jeito, por hora, era um canto mais calmo pois quando o rio alcança a curva não tem mais volta e a revolta não adianta nem um palmo. Então, abraçado à viola, inseparável companheira, dedilhou as notas daquela canção onde o refrão trazia a alma à garganta: “É preciso a chuva para florir...”

E enquanto tocava suave a melodia, bem de levinho essa voz chovia.

REFRÃO – Lena Ferreira – ago.14
Postar um comentário