quinta-feira, 28 de agosto de 2014

NUM VERSO BREVE


Coberto com a cor acre fim-de- tarde
vigia os passos apressados dessa lua
que, gira e gira, alternando suas fases
independente e indiferente aos olhares

Percorre céus, visita outros lugares
enquanto o vulto, entregue à vigilância,
remói o vento, dispondo na balança
o peso vago das graves suposições

Enquanto a lua segue e lua, noite e dia
irreverente, míngua e cheia, cresce, nova
com fases, frases que namoram o absurdo
agita o vulto, leve, sem grandes alardes...

...num verso breve que uma brisa facilita


NUM VERSO BREVE – Lena Ferreira – ago.14
Postar um comentário