NO ALTAR DO VENTO

O que tenho, e que me alivia,
são os versos que, humanamente, teço
esses que, de tempo em tempo,
despretensiosamente, ofereço
acesos, aos pés do altar do vento

Enquanto queimam, observo:
a qualquer noite ou qualquer dia,
um de seus fragmentos,
para a  minha alegria,
há de se tornar
verbo


NO ALTAR DO VENTO - Lena Ferreira -


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

eu não sou flor que se cheire

insolência

sem licença poética