terça-feira, 14 de julho de 2015

DOS VERDES EXCESSOS

No campo extremo dos verdes excessos
nascem palavras que espocam como tiros
entre rubros e alvos delírios, sangue; jaz
o que era paz, ensaio - mas, um ato, peço:

calçada com os silêncios mais maduros
peito aberto, desarmada e sem escudos
penso erguer uma das solidárias tendas
no esquerdo canto do campado em quase flor
com bandeiras verde-oliva tremulando
mastros que verguem ao sabor do tempo

- mesmo que não entenda o suor do vento,
mesmo que não entenda seu deslocamento,  
intento plantar azuis no chão das exceções:
o campo necessita de cuidados, não de canhões -



DOS VERDES EXCESSOS - Lena Ferreira -
Postar um comentário