domingo, 27 de setembro de 2015


o dia acorda e que não seja mais um dia
só um dia a mais para cumprir o calendário
que seja novo o pensamento e, o itinerário,
que me conduza ao equilíbrio, à harmonia

que eu consiga enxergar a poesia
solta nas ruas, nos olhares, cantos vários
e, como alguém que ouve o som de um Stradivarius,
que eu sinta, em cada nota, a nova a sinfonia

de toda voz que se achegar aos meus ouvidos
- de gratidão, lamentos, queixas ou pedidos -
que eu possa ouvir com muita calma e sem censura

o dia acorda virgem e, com um brilho franco,
é como extensa folha de papel em branco
que pede escrita leve e verbos de ternura



 - Lena Ferreira - *
Postar um comentário