terça-feira, 20 de outubro de 2015

QUASE

E foi assim que veio:
veio doutros meios
quase susto surdo
quase medo cego
quase que segredo
quase canto mudo
o ego em espanto
sorriu com os olhos
que reconheciam
o encanto, tanto,
de outros vagares
desaguando mares
num fluido perene
sob a luz Selene
veio doutros rios
veio doutros veios
veio unindo fios
engatou meneios
extinguiu o estio
e acordou o dia
em quase poesia   


QUASE - Lena Ferreira -
Postar um comentário