terça-feira, 2 de junho de 2015

DOIS VAGARES

Vem de vagar pelas luas risonhas
em suas fases frescas e completas
inaugurando mais rimas secretas
nos versos que todas as almas sonham

E, devagar, é bem capaz que ponha
aquelas frases, as mais que diletas
nas entrelinhas que, sempre discretas,
dão vozes às estrofes que componha

Vem de vagar, vem suspiro, vem vindo
manso e quieto, vem se distraindo
com um sopro, como boa companhia

São dois vagares - de sopro e suspiro -
os dois que, desde sempre, admiro
os dois que ventam amor à poesia



DOIS VAGARES - Lena Ferreira - jun.15
Postar um comentário